14.9.14

O medo, o horror, a tragédia e os pêlos

As pessoas quer se queira quer não tendem para a insensibilidade, por um lado porque é imprescindivel para a sanidade mental, por outro porque ser-se insensível é mais fácil,

Ser insensível é ver um rato ao pé de um caixote do lixo e já não gritar de terror porque se não fomos dolorosamente mordidos e transformados em zombies das últimas mil vezes que vimos um rato, o mais provável é que o não sejamos agora.
Ser insensível é já não termos os estômago encolhido pela indigestão causada pela ingestão de tanta injustiça explícita que existe à face da terra.

Uma coisa vista demasiadas vezes já não choca, passa tão desapercebida como um pôr do sol a colocar-se no céu, mas porque estamos a olhar para baixo para o nosso umbigo não o vemos, nem a ele nem aos que veríamos se pelo menos olhássemos mais para a frente.

A insensibilidade é precisa, é necessária à sobrevivência e a vida garante-nos a sua aquisição paulatinamente porém apesar de irmos ganhando capacidade de lidar com a angústia, devemos reagir na mesma ao que passa pelos nossos olhos, pois a mudança no mundo, lá vem um cliché esta-se mesmo a ver, está nos actos individuais, concretos, pontuais ao nosso alcance a cada momento para ir melhorando as coisas.

Uma coisa é não permitirmos que a vida nos doa demasiado, outra é fecharmos os olhos à vida.

Bem mas este post não é sobre isto, ainda a procissão vai no adro. Há uma coisa em relação à qual as pessoas ainda são muito sensíveis. Ficam chocadissímas! Ficam perplexas, sem palavras, ou a vociferar interjeições feias como se não houvesse amanhã.

Os pêlos nos sovacos, os pêlos nas pernocas, ou ainda os pêlos, sacrilégio, onde são mais precisos mas onde estão completamente fora de moda, e se não tá na moda, ai que horror, meu deus, que nojo!



O que fizeram com  os pelos é de um grau de desumanidade para com os ditos sem quaisquer precedentes, pois ensinaram as pessoas a ter nojo dos seus próprios pêlos!Grandes deuses da publicidade aqui não ganharam só batalhas ganharam a guerra, parabéns!

Ninguém tem nojo do seu cocó e congéneres, do seu mau hálito, das suas borbulhas, etc, porém dos pêlos?! Pelam-se!

Eu não tenho nojo dos meus pêlos. Sim eu sei, estou a pedi-las, depois um dia admiro-me.
Não os rapo como se não houvesse amanha, não me assusto quando os vejo ao espelho, não me causam repulsa.

Mas eu aposto que basta um dia chegar alguém, quem é que vai ser? e dizer que é cool, para se abrir ai uma nova oportunidade de negócio para animar a superfície da terra.

Nessa altura só para ser do contra e andar para ai a chocar o mundo sou capaz de fazer a vontade ao meu namorado.

Bem agora convido-vos a conhecerem isto http://pelospelos.com.br/ e a conhecerem o também o Alex http://alexcastro.com.br/, uma das pessoas mais interessantes que já conheci nestas prospecções virtuais, mas também de entre todas uma das pessoas mais iluminadas para além de interessantes a que tive por fruto da sorte, a sorte de encontrar.

Alertas:

Se têm nojo de pêlos, não gostam de pessoas de verdade, não gostam de ver pessoas nuas, mesmo nuas ou estão no trabalho não sigam o 1º link.

Se não gostam de pêlos, de pessoas nuas, mesmo nuas assim de repente e não gostam de pessoas que colocam tudo em causa e que podem mandar construções robustas ao chão ao testar os alicerces não sigam o 2º link.

Bem e a propósito se não gostam deste blog eu juro que compreendo, controlem a curiosidade morbida e aquela vontade de nutrir um bocadinho de escárnio, eu própria tenho de fazer esse exercício de auto-controlo, e nunca mais na vossa vida venham cá, não é por mim é por vocês.

Se gostam deste blog, fico contente, eu gosto de certeza muito de vocês, obrigada e lá para não sei quando há mais.