18.4.15

Ecobook ou sobre como são boas as boas ideias

Já escrevi muito papel na minha vida, apontamentos e resumos, arte essa na qual me podia ter tornado uma sumidade! Ninguém resumia como eu, ou se calhar sim não sei, mas o que é certo é que sublinhava com gosto, escrevia habilmente com maiúsculas, fazia setas que eram um primor, eu adorava estudar, calhou assim.

Já escrevi também folhas e folhas tremidas sobre o desamor, no tempo em que a única face que lhe conhecia, ao amor isto é, era a da tristeza de gostar sem ter retorno, que nos faz pensar que não existirá maior dor na vida que amar, até que descobrimos que essa é só a dor mais doce e só serve para nos preparar.

Já escrevi listas e listas de coisas de fazer, algumas fiz. Outras percebi que não passavam de tópicos de ingenuidade. No outro dia encontrei uma lista de coisas de que precisava quando tivesse uma casa e tive a minha lição.

As listas que são filhas na ansiedade deviam ser descartadas imediatamente após serem escritas, e poupam-nos a auto-consciência de como já fomos ridículos. Se bem que ser ridículo faz tanto parte como se ser parvo ou orgulhoso.

Enfim mas este artigo é sobre uma coisa que achei uma óptima ideia para, lá está, coisas que escrevemos mas que não precisamos de manter presentes por muito tempo, como para mim é o caso das listas que faço no trabalho sobre as tarefas do dia e que risco com prazer, mas que posso começar a apagar com júbilo.

Ainda não comprei o meu porque não existe nenhum ponto de venda em Lisboa e não me apatece nada pagar os portes por isso vou aguardar.

Entretanto fiz no facebook da marca a pergunta sobre para quando parceria com loja em Lisboa, e os malandros que são muito novos não responderam, ai, ai, ai ai, ai, pensei eu que isso não é boa política, mas pronto não deixo de achar uma óptima ideia na mesma :)

Fica o link caso ainda não conheçam http://ecobook.pt/